domingo, setembro 03, 2006

Rasante II

vôo baixo
o vento
me levando

casca vazia
de poemas

e de carinho.

4 comentários:

Loba disse...

Vem cá, vem! Carinho, te dou! E poemas estão na sua poesia... como agora e antes e depois! E eles sempre saem assim bonitos e profundos. Mesmo que em vôos razantes!
Beijos muitos. Boa semana, viu?

Vicente Siqueira disse...

Oi, Poeta.
O Vôo é rasante, mas bem direcionado. É baixo, mas o astral tá lá nas nuvens, porque quando deixamos o vento nos levar a casca nunca fica vazia, e se infla, é de pura emoção.
Então há de estar repleta de poemas e de todos os carinhos.
Não acredito que a casca esteja realmente vazia, porque aqui, de dentro do poema (entrei nele, você sabe...), a impressão é de que tudo está recheado... de sensibilidade.
Grande rasante, Poeta!
Abraços.
Vicente

Vicente Siqueira disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Vicente Siqueira disse...

Oi, Poeta.
Eu "tava" relendo o seu poema de ontem e me toquei que o trecho "Se mastigo demais o poema acaba engolido..." é pra lá de sugestivo.
A imagem sugerida é sensacional. Dá vontade de sair mastigando e engolindo poemas.
Boa, meu jovem!
Abraços e doces (pra mastigar e engolir).
Vicente