sexta-feira, setembro 08, 2006

Rasante III

Sou de pedra
e palavras
mais pesado que o ar

mais leve
que um passarinho
morto.

3 comentários:

Fernanda disse...

Talvez por isso ainda continue a flutuar. Beijos.

Loba disse...

Mais rasante impossível! E a poesia levita, apesar da intensidade.
Beijão

Vicente Siqueira disse...

Oi, Poeta.
Inspiração aumentada.
Produção multiplicada.
Seu rasante é bom porque tem palavras.
Doces.
Vicente