sexta-feira, setembro 15, 2006

Visita

Bicho noturno
o texto
chega de mansinho
de madrugada

me tira do sono
depois da cama

tenta me convencer
que merece
duas palavras.

10 comentários:

Marcela Bertoletti disse...

Isso já aconteceu algumas vezes comigo...
:P
bjs

Vicente Siqueira disse...

Oi, Poeta.
Merece duas palavras?
Seu texto merece zilhões de palavras.
Doces
Vicente

Loba disse...

Ah que lindo! Tanto de forma qto de conteúdo! O texto sempre nos seduz... especialmente se estamos na cama, né? rs...
Beijocas poeta.

Nilson Barcelli disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Nilson Barcelli disse...

O texto
é uma coisa tramada,
às vezes diz tudo
outras quase nada...!

Mas o seu (também este) diz muito.

Abraço e bfs.

Octávio Roggiero Neto disse...

Acho que virou praga este bicho, Wilson. E mais, ele aqui tem hábitos diuturnos...
Té mais ler!

Dora disse...

Na semi-inconsciência do sono, o "texto" adquire mais clareza, e pede para "existir" aqui fora! Você descreveu um movimento que eu chamo de "inspiração". Ou de "fase de criação". E nós, aqui, é que nos aproveitamos do acontecido!!!
Beijo!
Dora

Keila Sgobi disse...

Se ele, pelo menos, conseguisse me acordar...

Não consegue!
Me toma os sonhos e, depois,
desaparece!

Vicente Siqueira disse...

Oi, Poeta.
Trouxe mais alguns doces pra você.
E um pedido também.
Não mate o "bicho", tá?
O bicho pode ser noturno, diurno, matutino, vespertino, mas você sabe tratar dele. Seus textos são um achado.
Portanto, não deixe o bicho morrer.

Vicente Siqueira disse...

Recado pra Keila Sgobi:
Oi, moça.
Estou com o mesmo problema.
Ele além de desaparecer, manda recados mal-criados pra mim e diz que não quer saber de voltar. Quem agüenta?
Feliz é o Wilson, né?
Vicente