terça-feira, outubro 10, 2006

Batalha

poeta sangra
entre um
silêncio e outro

crescem tanto
as unhas
do poema.

8 comentários:

zingarah disse...

É, Wilson, concordo com vc! Poeta sangra, mesmo. O tempo todo. Bjs.,
Zingarah

Nanna disse...

Tô anêmica!

Beijinhos...
:)

Clara disse...

Vim trazer axé.
Até mais, Guanais.

douglas D. disse...

olá. aqui cheguei através do blog da cecília e digo logo de cara: muito bom!!

CeciLia disse...

Wilson,

gosto da coesão, da pequenez abrangente dos teus poemas. Gostei ainda mais do nome que escolheste ao teu blog. volto mais vezes. Muitas mais. Abraço,

Ana Ramiro disse...

Ótimo, Wilson! Adorei o blog e gracias pela visita ao Girapemba. Apareça quando quiser...beijos, Ana

douglas D. disse...

ei! valeu por ter postado algo meu lá no seu blog!!

Dora disse...

"Poeta sangrando" é quase dizer "bebê chorando"...Se ele for poeta, de verdade! E se ele tarda, o poema amadurece e fica de unhas compridas, esperando a tesourinha para apará-lo...né? rs
Beijo para você, poeta!
Dora