segunda-feira, maio 14, 2007

das limitações

os poemas
são
todos iguais

: às mil
faces
do espanto.

2 comentários:

Loba disse...

às minhas faces do espanto, seus poemas são sempre diferentes!
(será que ainda vou aprender a dizer tanto em tão poucas palavras? morro de inveja...)
Beijocas

Anônimo disse...

e de quantas faces sai um sorriso ao ler este espanto???

te beijo

Taís