segunda-feira, fevereiro 04, 2008

insônia

as
quatro letras
da palavra
cama
rangendo

a
noite inteira
rangendo
(há milênios)

o
silêncio
todo trincado
pode
desabar.

***

hoje tem texto meu aqui no Cacos d'Horas

9 comentários:

Cynthia Lopes disse...

Nossa esta insônia está mesmo problemática! Linda a sua "Insônia", bjs da sua sempre poetamiga, Cynthia

alex Pinheiro disse...

Re-assisti "The Machinist" dia desses e com esse poema calhou minha insônia, noite passada, fruto de uma idéia,,, Idéias nos fodem a idéia,,, rs

Abraços e sonolentas invenções!

Loba disse...

já vigiei este silêncio trocentas noites... ele sempre cresce e sempre me afasta de vc! o que eu faço com a saudade????
beijo

Ana Maria Costa disse...

Show!
Adoro seus poemas!

Abraço

Anônimo disse...

Wilson:
De novo, tento buscar a Poesia em mim. Ou algo dela, que ainda persista.
De volta, sinto imensa saudade dos que sempre me acompanharam, dos que sempre
atracaram no Meu Porto, em busca das minhas linhas, das minhas letras nem sempre
bem escritas.Retomo o rumo que me leva a lugares que me são caros. Por isso, vim chama-lo de volta ao meu lugar.
Deixo beijo...

Míriam Monteiro - http://migram.blog.uol.com.br

Célia de Lima disse...

recaia todo na poesia...! que criatividade, menino!!! uma boa noite (!) boa semana! :-)

Priscila Lopes disse...

Inteligente e extremamente poético!

Anônimo disse...

os silêncios, às vezes, falam muito.
Amei os livros...
thanks!!!!!!!

te beijo

Dora disse...

Um silêncio feito de rumores não descansa...Melhor o barulho da realidade atordoante...de dia...
Bjs.
Dora